EM CIMA DA HORA

Loading...

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Prefeito decreta situação de emergência no vale do Rio Taquara

Imagem: Iraciana LustosaA marca nas paredes mostra até onde chegou o nível das águas do Rio Taquara, na madrugada do dia 28/01 (quinta-feira)(Imagem:Iraciana Lustosa)
A marca nas paredes mostra até onde chegou o nível das águas do Rio Taquara, na madrugada do dia 28 (quinta)

Pelo menos 10 prefeitos do sul do Piauí decretaram Situação de Emergência por causa das enchentes. Eles alegam que as cidades estão isoladas e já desabastecidas de alimentos.

Aproximadamente 20 mil famílias foram desabrigadas ou tiveram as casas atingidas pela água das chuvas. Os decretos ainda não foram reconhecidos pela Secretaria Estadual de Defesa Civil. Porém, de acordo com Vitorino Tavares, diretor da Defesa Civil, serão eleborados laudos de avarias e o planejamento de atendimento aos atingidas por enchentes nos últimos dias.

Os municípios de Curimatá, Júlio Borges, Pajeú, Santa Filomena e Wall Ferraz decretaram Situação de Emergência em decorrência de alagações e risco de desabamentos de casas.

Segundo o jornal DIÁRIO DO POVO, em sua edição desta sexta-feira (05), os decretos foram encaminhados à Defesa Civil para os laudos e as providências. Mas os prefeitos de Parnaguá, Dom Inocêncio, Canavieira, Queimada Nova e Betânia também pedem socorro ao Governo.

De acordo com o diretor da Defesa Civil Estadual, Vitorino Tavares, dezenas de municípios em todo o Piauí estão sendo afetados pelas chuvas, e poderão decretar estado de Emergência.


Imagem: Divulgação1(Imagem:Divulgação)
Jornal Diário do Povo, edição desta sexta-feira (05),(Imagem:1)O Jornal Diário do Povo, na edição desta sexta-feira (5), anuncia o decreto de Santa Filomena e outros 9 municípios 

"O reconhecimento do estado de calamidade pela Defesa Civil do Estado ocorre logo após o desastre. Estamos visitando os municípios e inspecionando in loco para saber realmente qual a gravidade da situação. Esperamos a documentação enviada pelos municípios para adotar os procedimentos, para que seja reconhecida a situação de emergência ou calamidade pública", disse. O decreto de Situação de Emergência tem validade de 180 dias (6 meses) e visa dar celeridade à liberação de recursos para restabelecimento da situação nessas cidades.

Em alguns municípios a situação é dramática, com famílias desabrigadas e desalojadas, e a cidade, ilhada por conta das enchentes. Há pontes caídas e estradas cortadas. Uma comissão do Governo estará levantando a situação das pontes, estradas e adotando providências para socorrer mais de 20 mil famílias que foram afetadas. "Estamos acompanhando o atendimento dessas famílias nesses municípios. As equipes da Defesa Civil estão fazendo levantamento de danos e vendo a situação", informou o secretário de Estado da Defesa Civil, Hélio Isaias.


Imagem: Iraciana LustosaTanto na localidade Várzea, como em todo o percurso do Rio, das Matas até Barra do Taquara, as roças foram inundadas(Imagem:Iraciana Lustosa)
Tanto no lugar Várzea, como em todo o percurso do Rio, das Matas até Barra do Taquara, roças foram inundadas

O secretário Hélio Isaias destacou ainda que o Governo do Piauí está ajudando os prefeitos na recuperação da infraestrutura e na remessa de alimentos para os municípios isoladas.

"Estamos buscando parcerias para resolver os problemas, inclusive as dificuldades de acesso. Estamos monitorando as barragens, açudes e de olho na meteorologia. Acompanhamos tudo isso atentamente, principalmente os reservatórios que estão cheios", adiantou Hélio Isaias.

No caso de Santa Filomena, cerca de 90 produtores ao longo do Vale do Taquara tiveram as plantações destruídas pela inédita cheia do Rio Taquara, dia 28/01. Alguns desses lavradores, não só viram lavouras e pastagens serem arrastadas pela enchente ou soterradas pela lama, mas também tiveram cercas arrancadas, criatórios de peixes destruídos e casas alagadas.

Em momento oportuno, o prefeito Esdras Avelino Filho (PTB) fez o que qualquer gestor sensato faria: recorrer à Defesa Civil, tentando amenizar a situação no Vale do Taquara.

Fonte: Jornal Diário do Povo

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Enchente do Rio Taquara destruiu plantações e invadiu moradias

Imagem: Iraciana Lustosa1(Imagem:Iraciana Lustosa)
A marca nas paredes mostra até onde chegou o nível das águas do Rio Taquara, na madrugada do dia 28/01 (quinta-feira)

Cerca de 90 pequenos agricultores do Vale do Taquara, município de Santa Filomena, no sudoeste do Piauí, tiveram suas plantações destruídas pela inédita cheia do Rio Taquara.

Alguns dos lavradores, além de verem as lavouras arrastadas pela enchente ou soterradas pela lama, também tiveram as cercas arrancadas e até as residências invadidas pelas águas.


Imagem: Iraciana Lustosa2(Imagem:Iraciana Lustosa)
Garoto mostra uma raiz de mandioca na roça dos seus pais, um pouco do que sobrou da maior enchente do Rio Taquara

O volume de água foi tão grande, que o Rio Taquara quase passou por cima da ponte da localidade Cachoeira, na BR-235. E começou a desmoronar uma das cabeceiras da ponte.

De acordo com os moradores da região, residentes não somente na comunidade Matas, mas em todo o percurso do vale, essa foi, sem nenhuma dúvida, a maior enchente do Rio Taquara.


Imagem: Iraciana Lustosa3(Imagem:Iraciana Lustosa)
Tanto na localidade Várzea, como em todo o percurso do Rio, das Matas até Barra do Taquara, as roças foram inundadas

A ação da natureza ocorreu na manhã do último dia 28 (quinta-feira), depois que, das 18h30 da quarta-feira (27) às 5h30 da quinta, os pluviômetros registraram 145 milímetros na cidade de Santa Filomena e 170 milímetros no Povoado Matas, distante 42 km da sede municipal.
 

Face às circunstâncias, encaminhamos, na última segunda-feira (01/02/2016), requerimento ao deputado estadual Fernando Monteiro (PTB), com cópia para o prefeito municipal, Esdras Avelino Filho (PTB), solicitando que nosso representante na Assembléia Legislativa do Piauí (ALEPI) tente arranjar algum recurso junto à Secretaria Estadual de Defesa Civil, a fim de que os produtores afetados possam recuperar as moradias e as cercas danificadas ou destruídas.

Imagem: Iraciana Lustosa4(Imagem:Iraciana Lustosa)
Até as cercas foram arrancadas pela histórica cheia do Rio Taquara, deixando os agricultores familiares à mercê da sorte

Do mesmo modo, pedimos a intervenção do Governo Estadual/SDR, por meio do deputado Fernando Monteiro, no sentido de que sejam destinadas sementes de feijão e milho, além de mudas, manivas e alevinos, já que plantações, pastagens e criatórios de peixes localizados à margem do Rio Taquara foram destruídos, do Povoado Matas até o encontro com o Rio Parnaíba (Barra do Taquara), numa extensão superior a 40 km, atingindo quase cem famílias.

Esperamos que o governador Wellington Dias (PT) esteja sensível às razões do pedido, autorizando que a Defesa Civil e a SDR (Secretaria de Desenvolvimento Rural) prestem socorro aos produtores do Vale do Taquara, principal área com culturas de subsistência.
 
Imagem: José Bonifácio/GP15(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI: A enchente foi tão grande que, por pouco, as águas do Rio Taquara não passaram sobre a ponte da Cachoeira

OITO OU OITENTA - Vale lembrar que, tanto o Vale do Taquara, quanto todo o município de Santa Filomena, passaram por uma seca histórica no final de 2015, fato que quase obrigou o prefeito Esdras Avelino a decretar Situação de Emergência. Para o leitor entender melhor tal situação, em dezembro passado choveu só 57,5 milímetros, segundo dados do EMATER/PI.

Mas em janeiro de 2016 choveu 585,0 milímetros. Ou seja; 138% a mais do que a média histórica verificada no mês durante 31 anos (1984/2015), que está em 245,0 milímetros.


Imagem: José Bonifácio/GP16(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Por volta das 8h de quinta (28) as águas do Taquara estavam assim, provocando desmoronamento na cabeceira da ponte

Isso nos faz pensar na música Orós, do cantor e compositor cearense Raimundo Fagner, gravada em 1977, a qual retrata o bucolismo interiorano, à dureza das raízes pessoais, o drama da seca e o medo da chuva: “Se não é seca é enchente Ai, ai, como somo sofredô”.

Por se tratar de um caso fortuito, necessário se faz a urgente intervenção do Poder Público.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Setrans esclarece sobre situação da estrada de Santa Filomena

Imagem: José Bonifácio/GP11(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Rachaduras nas pistas e acostamentos da BR-235 (estrada Gilbués/Santa Filomena), no km 67, à altura da Fazenda Jatobá

A Secretaria do Estado de Transportes (SETRANS/PI) enviou ao Portal GP1/Blog do José Bonifácio uma NOTA DE ESCLARECIMENTO sobre a matéria que publicamos ontem, terça (26), sob o título “BR-235/PI: Trecho da estrada de Santa Filomena está afundando”.

Segundo a Nota, assinada pelo próprio secretário Guilhermano Pires, a SETRANS tomou conhecimento da situação da BR-235/PI (estrada Gilbués/Santa Filomena) e que já está tomando as devidas providências, solicitando inclusive que uma equipe de técnicos realize vistoria no local e elabore um relatório sobre as falhas encontradas na mencionada rodovia.

A SETRANS informa ainda que já notificou a empresa responsável pela obra e que em breve as obras serão retomadas, bem como os reparos necessários, que também serão executados.

Agradecemos ao secretário Guilhermano Pires (SETRANS/PI) pelo acolhimento da denúncia.


Veja o teor da NOTA DE ESCLARECIMENTO emitida pelo secretário Guilhermano Pires:

2(Imagem:Divulgação)

IBAMA acaba de liberar a construção da ponte de Santa Filomena

Imagem: DNIT/PI1(Imagem:DNIT/PI)
CARTÃO POSTAL! Projeto da Ponte Estaiada entre Santa Filomena/PI e Alto Parnaíba/MA, com extensão total de 200 metros

A superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis no Estado do Maranhão (IBAMA-MA) acaba de liberar o licenciamento ambiental para a construção da ponte que interligará as cidades de Santa Filomena e Alto Parnaíba/MA.

A esperada liberação ocorreu na tarde da última terça-feira (26), durante uma audiência do governador do Piauí, Wellington Dias, e do secretário estadual de Transportes, Guilhermano Pires, com o superintendente do IBAMA-MA, senhor Pedro Leão da Cunha Soares Filho.

Imagem: Divulgação2(Imagem:CCOM)
Reunião entre o governador Wellington Dias, secretário Guilhermano Pires e o superintentendente do Ibama/MA, Pedro Leão

O secretário Guilhermano Pires ressaltou ainda que com o licenciamento ambiental da ponte, por parte do IBAMA do Maranhão e do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), o projeto do novo cartão postal já pode ser encaminhado para captação de recursos.

“A ponte que será construída para ligar as cidades de Santa Filomena, no Piauí, e Alto Parnaíba, no Maranhão, será do tipo estaiada e deve custar algo em torno de R$ 25 milhões.
Com essa liberação, ela já pode ser encaminhada para disposição financeira”, acrescentou.


Imagem: José Bonifácio/GP13(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Caso o projeto saia do papel, a ponte será construída neste local, à altura dos residenciais Boa Esperança I e Santa Clara

Ainda sobre as obras situadas no Cerrado piauiense, o secretário de Transportes do Piauí afirmou que o licenciamento também pode contribuir para a conclusão de outras obras.

“Com a conclusão da rodovia BR-235/PI, esperamos concluir até o final do ano, e agora com o licenciamento ambiental, podemos trabalhar junto ao DNIT e ao Ministério dos Transportes os recursos para interligar os dois estados e concluir a Transcerrados”, esclareceu Pires.

Imagem: Google4(Imagem:Google)
Imagem de satélite mostra o exato local onde será construída a ponte e, ainda, o anel viário na cidade de Alto Parnaíba (MA)

Segundo Guilhermano Pires, a fim de que a estrada que liga Gilbués a Santa Filomena seja concluída, o Governo do Estado está mantendo diálogos com o Ministério dos Transportes.

“Quanto a finalização da estrada entre Gilbués e Santa Filomena, estamos dialogando com o Ministério dos Transportes para que sejam liberados os últimos R$ 10 milhões para que seja concluída a obra. Dos 130 quilômetros de extensão, faltam apenas 14 quilômetros para a conclusão da obra”, concluiu o secretário estadual de Transportes, Guilhermano Pires.


Fonte: CCOM, com informações de Celina Honório
 

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

BR-235/PI: Trecho da estrada de Santa Filomena está afundando

Imagem: José Bonifácio/GP11(Imagem:José Bonifácio/GP1)
TERREMOTO? A BR-235/PI nem foi concluída, mas fissuras estão por toda parte, nos acostamentos e pistas de rolamento

A BR-235/PI (trecho Gilbués/Santa Filomena) começou a ser construída em janeiro de 2012 e ainda não foi concluída. Além da ladeira das Novas, com extensão de 2,5 quilômetros, que se encontra deteriorada devido às chuvas e ao sistema de drenagem ineficiente, os últimos 12 quilômetros (entre a localidade Campeira e o Rio Parnaíba, na zona urbana de Santa Filomena) nunca recebeu asfalto: a obra está parada desde fevereiro de 2015.

Como se não bastasse a estrada Gilbués/Santa Filomena estar no rol das inúmeras obras inacabadas deste nosso Brasil, corre o risco de se tornar intrafegável, tanto nos trechos de terra ainda, quanto em alguns pontos pavimentados há mais de 2 anos, onde o asfalto TSD (Tratamento Superficial Duplo) já tem fissuras nos acostamentos e nas pistas de rolamento.

 Imagem: José Bonifácio/GP13(Imagem:José Bonifácio/GP1)A fina camada de TSD (Tratamento Superficial Duplo) está se "desmanchando", não suportando o peso dos caminhões

Andando pela pista, percebemos que um trecho de aproximadamente 500 metros, no km 67 (sentido Gilbués/Santa Filomena), à altura da Fazenda Jatobá, apresenta rachaduras em tosos os sentidos. “Quase 40 por cento da rodovia está fissurada. Isto é uma vergonha!”, disse o empresário Cláudio Saldanha, em vídeo que postamos na rede social Facebook.

Imagem: José Bonifácio/GP1Na ladeira das Novas, que nunca foi pavimentada, (Imagem:José Bonifácio/GP1)
Na ladeira das Novas, que nunca foi pavimentada, processos erosivos (crateras) alertam que o tráfego será interrompido

O caso causa indignação, não só aos que transitam pela BR, mas principalmente para os moradores de Santa Filomena que, ao receberem uma obra mal-acabada e, ainda por cima, inacabada, passam a se sentir como se fossem cidadãos de segunda ou de quinta categoria.
 
Imagem: José Bonifácio/GP12(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Na ladeira do Saquinho, próximo ao Povoado Matas e a 42 km de Santa Filomena, pedras soltas indicam desmoronamentos

“É um serviço mal feito, não merecíamos isso”, desabafa o prefeito Esdras Avelino Filho (PTB).

Mas os problemas não param por aí. Há afundamento da pista também em outros pontos, como nas proximidades da localidade Couro e na Fazenda Refresco; erosões na ponte do Riacho Certeza, deslizamento na Pedra Preta; e desmoronamento na ladeira do Saquinho.
 
Imagem: José Bonifácio/GP15(Imagem:José Bonifácio/GP1)
E nos 12 quilômetros restantes da BR-235, os buracos e os bicos de pedras estão atormentando motoqueiros e motoristas

Na ladeira das Novas, as águas pluviais estão abrindo enormes valas na pista cascalhada. Caso as chuvas se intensifiquem e não se tomem providências, o tráfego será interrompido.

Perspectiva - Ainda não se sabe ao certo como irá ficar a situação da estrada Gilbués/Santa Filomena. Vai ser concluída? Quando? Afinal, quem poderia nos dar uma simples explicação?


MAIS IMAGENS DA BR-235/PI (GILBUÉS/SANTA FILOMENA), À ALTURA DO KM 67:

BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)
BR-235/PI(Imagem:José Bonifácio/GP1)

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Prefeitura entrega tratores e implementos em três comunidades

Imagem: José Bonifácio/GP11(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Trator, grade aradora e carreta agrícola entregue aos pequenos agricultores da Comunidade Santa Fé, no Vale do Riozinho

Buscando melhorar a qualidade de vida do homem do campo, a Prefeitura de Santa Filomena acaba de entregar uma Patrulha Agrícola Mecanizada, por meio do Convênio SIAFI 782026.

Orçada em R$ 487.500,00 (Quatrocentos e Oitenta e Sete Mil e Quinhentos Reais), tendo como órgão superior o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e como concedente a Caixa Econômica Federal, a Patrulha Mecanizada Rural de Santa Filomena é composta de 03 (três) tratores agrícolas, acompanhados de grade aradora e carreta.

Imagem: José Bonifácio/GP12(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Agricultores familiares das comunidades Aldeinha, Fortaleza e Várzea Grande também receberam a Patrulha Mecanizada

O município de Santa Filomena entrou com a Contrapartida de R$ 12.500,00 (Doze Mil e Quinhentos Reais). Assim, o valor total do mencionado Convênio foi de R$ 500.000,00.

As 03 (três) comunidades diretamente beneficiadas são: Aldeinha, Santa Fé e Sete Lagoas.

Segundo o prefeito Esdras Avelino Filho (PTB), as máquinas vão prestar auxílio no trabalho diário das famílias pertencentes a outras comunidades próximas às anteriormente citadas.


Imagem: José Bonifácio/GP14(Imagem:José Bonifácio/GP1)
Da mesma forma, o prefeito Esdras Avelino entregou a Patrulha Mecanizada aos agricultores da Comunidade Sete Lagoas

O objetivo da Prefeitura de Santa Filomena é promover o aumento da produção e da produtividade nas comunidades rurais, através da mecanização do preparo do solo e do plantio de culturas e de pastagens, além do transporte de insumos e produtos agropecuários.

O aludido convênio, firmado entre o Governo Federal e o Município de Santa Filomena, no sudoeste do Piauí, é fruto de Emenda Parlamentar do senador Elmano Ferrer (PTB-PI).




domingo, 17 de janeiro de 2016

Caminhoneiro de Balsas passa mal e morre de infarto no Piauí

Imagem: Google1(Imagem:Google)

O caminhoneiro Flávio Gonçalves, de 60 anos, morreu na tarde deste domingo (17), na Fazenda Damha, a 60 quilômetros da cidade de Santa Filomena, no sudoeste do Piauí.

O homem, residente em Balsas (MA), dirigia um caminhão Scania, com placa não informada, e morreu por volta das 14h30. Ele havia carregado de adubo na Fazenda Damha e, como o seu caminhão não conseguiu subir uma ladeira situada próxima à sede da Fazenda, retornou a pé, almoçou e estava assistindo TV, quando caiu de repente. Foi socorrido pelos funcionários da Damha mas, infelizmente, veio a óbito. O corpo permanece na Fazenda Damha, à espera da família, que já se deslocou da cidade Balsas, distante 300 km do local onde ocorreu a morte.

Um funcionário da Fazenda Damha se dirigiu imediatamente à cidade de Santa Filomena, a fim de registrar o BO (Boletim de Ocorrência) na 3ª CIA - 7º BPM da PMPI (Polícia Militar do Piauí).